Futsal

Futsal | Atlético – Torpedos, 2-1

De regresso à Tapadinha, o Atlético voltou a encontrar o rumo das vitórias, ao bater os Torpedos por 2-1, com todos os golos a surgirem na primeira metade do desafio.

A história não era favorável ao conjunto alcantarense. Nos quatro encontros anteriores o Atlético nunca tinha vencido os Torpedos, somando três derrotas e um empate, e apesar de as equipas estarem em zonas opostas da tabela, o Atlético vinha de duas derrotas, o que deixava alguma expectativa para o encontro.

Mas interessa é quando a bola rola. E aí viu-se quem estava melhor. Os primeiros dez minutos trouxeram dois golos para o Atlético. Aos 6′ Vu assiste Cláudio Tavares numa jogada pelo flanco canhoto, com o Ala a aproveitar a saída do guardião dos Torpedos para inaugurar o marcador (foi o quarto golo do Ala no Campeonato).

Três minutos depois o Atlético amplia a vantagem, desta feita com jogada pela direita, onde Cardoso assiste Codé ao segundo poste para o segundo golo da equipa da casa.

O Atlético, em crescendo, vai acumulando situações, mas falha (imenso) na finalização. E quando todos esperavam o intervalo, um erro do Atlético resulta num livre indirecto de onde nasce o golo dos Torpedos.

Não haveria mais golos no jogo, mas a segunda parte animou. O Atlético continuou a desperdiçar, sendo a ocasião mais flagrante por Pedro Baioneta, que de baliza aberta acerta mal na bola e atira ao lado. Mas, calma!, Cardoso, Cláudio Tavares e Codé também tiveram ocasiões para “matar” o jogo, mas o grande pecado morou na finalização.

Os Torpedos, meio atabalhoados, com muito coração, tentaram o empate, em vão. Estiveram perto, no ocaso da partida, quando viram o poste substituir Fábio Lourenço, mas foi uma gota de água no oceano. A haver um vencedor seria sempre o Atlético, mas a finalização (ou falta dela) podia ter trazido um dissabor.

– – –

PONTOS POSITIVOS
A aposta em Pedro Baioneta trouxe correspondência. O pivot pode ter falhado um golo de baliza aberta, mas respondeu muito bem à aposta do seu treinador. Combativo e atrevido, faltou-lhe apenas o golo para condimentar a exibição. Cláudio Tavares começou a época em baixo mas está a começar a aparecer. A velocidade do Ala é a sua principal arma. Vai de mota enquanto que os outros vão… a pé. A vontade e o querer de Vu são impressionantes. O capitão é o primeiro a querer ganhar, e leva tudo com ele. Já não tem a frescura física de outros tempos, mas a ternura dos 40 não o diminui.

PONTOS NEGATIVOS
A finalização é o calcanhar de Aquiles deste Atlético. Se concretizasse todas as ocasiões que fabricou, o conjunto de Carlos Matos teria feito uma goleada histórica. O livre indirecto de onde nasce o golo dos Torpedos é um erro grave. Ainda para mais porque a equipa estava em tarefa ofensiva.

– – –

ATLÉTICO CP – CF “OS TORPEDOS”, 2-1
25 de Novembro de 2017, às 17:00H.
Pavilhão Eng.º Santos e Castro, em Lisboa.
I Divisão AF Lisboa
Ao intervalo:
2-1
Marcha do marcador: 1-0; 2-0; 2-1.
Marcadores: Cláudio Tavares (6′) e Codé (9′).

ATLÉTICO – Fábio Lourenço; Vu (C), Fabinho, Cardoso e Pedro Baioneta.
Jogaram ainda – Cláudio Serafim, Cláudio Tavares, Pedro Pinheiro, Codé e Orélio.
Suplentes não utilizados – Piranha.
Treinador – Carlos Matos.

Disciplina – Cartão amarelo para Vu (44′).

– – –

I Divisão AF Lisboa

PosiçãoClubeJVEDGMGSDGPts
11180360204024
21080256282824
31170438261221
41062243251820
5116144841719
6106133636019
7106043325818
8105323329418
9105234035517
10105142630-416
11114163645-913
12104063141-1012
13103252625111
14112273358-258
15102262655-298
16111283449-155
17101183667-314
Comentários