Futebol

Capítulo XXVII | O União Lisboa finalista do Campeonato de Portugal

A derrota de Portugal, no sétimo encontro com a Espanha (5-0), nada pressagiava de bom quanto ao I Sevilha-Lisboa, mas afinal tudo saiu bem e a honra do convento foi salva. Com efeito, a defesa Lisboeta jogou brilhantemente nesse desafio disputado na capital da Andaluzia, em 19 de Março de 1929, que terminou empatado a uma bola.

Ao reduto defensivo ficou a selecção da capital a dever o excelente resultado, salvando-nos de uma derrota certa, pois os sevilhanos fizeram magnífica partida.

Os espanhóis marcaram primeiro, aos 33 minutos, por intermédio de Brand, e só a 2 minutos do fim, José Luís conseguiu, mercê de bom remate, empatar. Da equipa que perdeu com a Espanha, dois dias antes, apenas jogou Manuel Varela. Como poderemos ver pela composição da turma alfacinha, alinharam dois jogadores do União Lisboa e um do Carcavelinhos.

As equipas alinharam:
LISBOA — Carlos Silva (União Lisboa); Jurado (Sporting) e José da Silva (União Lisboa); Manuel Varela (Sporting), Serra e Moura (Sporting) e Vítor Hugo (Benfica); Abrantes Mendes (Sporting), Rodolfo Faroleiro (Belenenses), Silva Marques (Belenenses), Armando Silva (Carcavelinhos) e José Luís (Belenenses).
SEVILHA — Eizaguirre; Monge e Iglesias; Caballero, Estebes e Adolfo; Roldan, Alvarez, Carrasco, Henrique e Brand.

Arbitrou o sr. Carcer, do Colégio de Árbitros de Madrid, que agiu com imparcialidade e competência.

O mês de Março de 1929 foi fértil em encontros internacionais. Depois do 1º Portugal-Espanha e do 1.° Lisboa-Sevilha, realizados na castiça Sevilha, respectivamente, a 17 e 19 do referido mês de Março, outra partida se efectuou no dia 24, desta vez em Paris — o 4º Portugal-França.

Os portugueses que, em Abril de 1928, forçaram os gauleses, na sua própria casa, a um empate (1-1), não foram desta feita tão felizes, saindo derrotados por 2-0, golos de Nicolas e Galley.

Constituição das equipas:
PORTUGAL — Roquete (Casa Pia); Carlos Alves (Carcavelinhos) e António Pinho (Benfica); Raúl Figueiredo (Olhanense), Augusto Silva (Belenenses) e Martinho de Oliveira (Sporting); Raul Jorge (Barreirense), Pepe (Belenenses), Vítor Silva (Benfica), Armando Martins (Vitória FC) e Alfredo Ramos (Belenenses ).
FRANÇA — Henrich; Wallet e Bertrand: Anatole, Banida e Villaplane; Dewaquez, Lieb, Nicolas, Velnante e Galley.

O árbitro foi o belga John Langenus.
Nesta partida, Carlos Alves elevou o número de internacionalizações para nove.

Passemos agora a descrever o Campeonato de Portugal (época de 1928/29).

A primeira eliminatória efectuou-se no dia 7 de Maio de 1929, num jogo apenas, com os campos sorteados. Os resultados foram os seguintes.

Boavista – Vila Real, 3-0;
Lusitano de Viseu – Salgueiros, 2-5;,
Carcavelinhos – Luso do Barreiro, 5-2;
Leões de Santarém – Benfica, 1-6;
Triunfo – Leça, 0-3;
Beira Mar – União Lisboa, 0-3;
Sporting do Espinho – Palhavã, 4-2;
FC Porto – Sporting de Braga, 13-0;
Sporting – Coimbrões, 6-3;
Barreirense – Lusitano VRSA, 1-2;
Casa Pia – Estrela de Portalegre, 5-0;
Vitória FC – Lusitano de Évora, 6-1.

O União de Coimbra e o Belenenses ficaram apurados para a eliminatória seguinte por os clubes que deviam defrontar nos seus campos (Fafe e o representante de Leiria, respectivamente), não terem comparecido.

Apurados catorze clubes, realizou-se a segunda eliminatória no dia 28 de Maio de 1929, com os seguintes resultados.

Boavista – Vitória FC, 1-3;
Carcavelinhos – Salgueiros, 2-1;
Belenenses – Benfica, 3-2;
Leça – União de Coimbra, 3-2;
Sporting de Espinho – União Lisboa, 2-4;
Sporting – FC Porto, 3-2;
Lusitano VRSA – Casa Pia, 5-0.

Portanto, sete clubes em prova, mais o Marítimo do Funchal, com entrada nos quartos de final. Curioso verificar que alcantarenses e santamarenses se mantinham galhardamente.

Resultados dos jogos efectuados em 2 de Junho de 1929.

União Lisboa – Leça, 9-0;
Marítimo – Vitória FC, 0-3;
Belenenses – Carcavelinhos, 3-1;
Sporting – Lusitano VRSA, 1-0.

Como se constata, o Carcavelinhos, vencedor na época transacta, foi eliminado, ficando, todavia, o valoroso União Lisboa ainda na liça. As meias-finais, a 9 de Junho de 1929, proporcionaram os seguintes resultados.

União Lisboa – Sporting, 2-1;
Vitória FC – Belenenses, 1-1.

Os «azuis» tiveram de defrontar novamente os setubalenses, na bonita cidade do Sado, no dia seguinte, e ganharam brilhantemente por 2-0.

Chegaram à final do Campeonato de Portugal de futebol, da época de 1928/29, após carreiras meritórias, as equipas do União Lisboa e do Belenenses.

Duas turmas essencialmente populares e bairristas, se bateram no antigo Campo de Palhavã, o mesmo onde na época transacta o Carcavelinhos «arrancara» o titulo de campeão.

A final realizou-se no dia 16 de Junho de 1929. Fazia um calor insuportável e o jogo ressentiu-se desse facto.

Aos 15 minutos, José Luís colocou o resultado em 1-0 para o Belenenses. Depois, até ao intervalo, o União Lisboa procurou afanosamente o tento da igualdade, sem contudo o conseguir, e foi até o adversário que perdeu óptima oportunidade de elevar o marcador, quando Pape apareceu em boas condições de bater Carlos Silva.

Na segunda parte, os unionistas voltaram a dominar e aos 20 minutos, Luís Silva estabeleceu o empate, com um «tiro» enviesado, tento que o Clube de Santo Amaro inteiramente vinha merecendo.

Os «azuis», sentiram então o perigo.Lançaram-se ao ataque com entusiasmo e impuseram, por seu turno, certo ascendente. Aos 29 minutos, Alfredo Ramos rematou à baliza, Carlos Silva defendeu para perto e José Luís, na recarga, obteve o golo da vitória. E com 2-1 a favor do Belenenses terminou o encontro. Augusto Silva recebeu a taça oferecida pela Federação.

As equipas alinharam.
Unário Lisboa — Carlos Silva; José da Silva e Constante; Manuel da Silva, Liberto dos Santos e Martinho; M. Ramos, Jaime Rodrigues, Armando Silva, Valentim Machado e Luís Silva.
Belenenses – Tomaz; Morais e João Belo; Carlos Rodrigues, Augusto Silva e Almeida; Alfredo Ramos, Pepe, Silva Marques, Rodolfo e José Luís.

Arbitrou Carlos Canuto, do Carcavelinhos.

Comentários